Dicas Preciosas Sobre a Disneyland Paris

Em 2012, escrevi um artigo sobre a Disneyland Paris (leia aqui), que é um dos mais acessados do blog. Por isso, como estive lá agora (quatro anos depois), resolvi ratificar alguns itens com informações que mudaram de lá para cá ou precisam de complemento.

• Como aproveitar o tempo na Disney?
Aqui eu havia falado sobre o fast pass, que dá acesso sem filas aos brinquedos. Descobri que você não pode pegar mais de um fast pass de cada vez. Ou seja, você não pode ficar em duas filas ao mesmo tempo, mesmo que elas sejam virtuais. O sistema do parque identifica que você já tem um brinquedo agendado com fast pass e não deixa pegar o de outro até expirar o prazo de entrada do primeiro.

• Quanto custa e como comprar os ingressos para a Eurodisney?
Aqui eu havia falado do ticket Francillien, disponível no site da Fnac. Pois não sei se ele ainda existe. Comprei desta vez, no site da própria Disneyland Paris, o ticket MINI 1 day/2 parks, que custou €62 para adultos e €55 para crianças. A partir de 12 anos seu bebê crescidinho já é um adulto para eles. Esse ticket dá acesso ao parque em qualquer dia de semana (mediante consulta em um calendário que eles disponibilizam — alguns dias estão bloqueados para esse ticket, como feriados e tal. Em algumas épocas do ano, esse mesmo ticket fica mais barato ainda e é chamado de Special MINI 1 day/2 parks: €47 para adultos e €40 para crianças.

• Como eu chego à Eurodisney?
Esqueça praticamente tudo que escrevi neste item. A RATP (companhia de transportes local) expandiu a abrangência do passe de transporte público integrado. Antes, com um ticket, você só podia transitar na zona 1 e 2 de Paris. Agora, pode ir até a 5! Ou seja, Marne-la-Vallée, onde ficam os parques da Disney, está dentro da área de cobertura. Você gasta apenas €1,90. Vá de metrô até uma estação da linha 2 do RER e siga para seu destino com esse trem.

É isso. Espero que tenha uma boa jornada!

Internet no Celular em Paris

Senado francês, celular
Menina tirando foto com o celular no Senado francês, Senat.

 

 

 

 

 

 

 

 

Se você pretende viajar e quer ter internet no celular em Paris, encontrei em janeiro de 2017 a melhor opção.

Em 2012, havia estado na cidade e consegui um plano da Orange, com internet ilimitada, por um total de 19,90€ (veja aqui). Era um pré-pago com validade de um mês. Perfeito para minha necessidade na ocasião e atualmente. Porém, este plano não existe mais. Nem mesmo existe plano algum de 3G/4G ilimitado, o que é um saco, pois ninguém quer ficar controlando o que consome de banda, muito menos ficar sem internet quando mais precisar.

Pois desta vez, pesquisando por todas as operadoras de celular disponíveis em Paris, me deparei com a Free. Trata-se de uma empresa de telefonia fixa, internet e TV a cabo que, parece, ingressou há pouco com planos de móvel. Como falei eles não têm também opção de dados ilimitados, mas há uma que você só vai conseguir acabar com a franquia se ficar assistindo Netflix durante toda sua viagem. O que eu acho que não tem como acontecer com ninguém que visitar Paris. Tratam-se de absurdos 50Gb de transferência por mês! Se você também precisa de outras formas de comunicação, como voz e SMS, esse plano oferece ligações ilimitadas para as regiões metropolitanas da França, SMS ilimitados para toda Europa e chamadas também ilimitadas para outros 100 locais fixos.

O valor é 19,99€ mais o cartão (chip ou SIM card, como você preferir chamar) que, creio, você ainda não possui, de 10€. São 29,99€ para um mês. Não é uma bagatela, mas é o melhor que achei.

Para adquirir é muito fácil. Basta você ir a uma loja da Free. Li na Internet que havia duas, mas só encontrei uma. O endereço é 8 Rue de la Ville-l’Évêque, próximo à praça da Concórdia. Todo processo é feito por um terminal de autoatendimento. Você precisa optar pelo plano (basta ficar de olho nos “50Gb” — não confunda com os “50Mb” do outro plano — e no preço: “19,99€”). O passo a passo do sistema irá lhe conduzir e perguntar se deseja o plano por apenas um mês ou continuamente. Lembre-se que essa informação é importante, pois o plano não é pré-pago, mas de conta. Optando por apenas um mês, ele será cancelado após esse prazo. Será solicitado seu email, nome e endereço em Paris. Serve o do hotel. Eles não o irão usar para nada. Nenhum documento é exigido. Irá perguntar também o formato do seu cartão, se mini ou nano, e lhe cobrar mais 10€ pelo chip. Atente a isso ou não vai encaixar no seu smartphone. Você paga com cartão de crédito e pronto, a máquina cospe seu chip. Se o modelo do seu telefone precisa de um alfinete para retirar o SIM card, peça a um atendente para lhe ajudar pois ele tem a ferramenta. Voilá! Saia usando imediatamente. Sempre que desligar e ligar seu telefone, será lhe solicitado o código PIN do cartão. Parece que é padrão o “1234”. Está escrito na embalagem que você recebeu.

Se ligue quando abrir seu Whatsapp. Ele perguntará (sempre acontece quando você troca de chip) se deseja mudar o seu número padrão para seu perfil no aplicativo. Se você pretende usar apenas provisoriamente seu número francês, não mude! Ou vai bagunçar a sua vida e seus contatos do “zap-zap”.
Como, acredito, todas as empresas de telefonia móvel de Paris, a Free Mobile tem redes wi-fi espalhadas pela cidade que irão conectar automaticamente no seu celular sempre que estiverem próximas para poupar os dados do seu plano. Pessoalmente, em todas as experiências que tive com elas, não valia a pena. Ou não funcionavam direito ou eram mais lentas que o 3G/4G da região. Desligue o wi-fi se isso ficar atrapalhando. A cobertura da rede 3G/4G é ótima e só funciona com deficiência no metrô, por exemplo. No geral, é bem melhor que no Brasil.
É bom ficar atento também se seu aparelho celular é compatível com o sistema de telefonia da França. Os iPhones brasileiros, a partir do 5S, tenho certeza que são.

É isso! Espero ter ajudado e bon voyage!

As Sinaleiras de Paris

— Pai.
— Fala, filha.
— Por que a sinaleira das pessoas fecha bem antes de abrir a dos carros.
— Ah! É mesmo! Quer saber por quê?
— Quero.
— É assim: é que tem que dar tempo para a pessoa que recém começou a atravessar, no momento que fechou, conseguir chegar ao outro lado sem que abra a para os carros.
— Hmm! Mas eu cheguei no outro lado e a dos carros continuou fechada por muito tempo.
— Ah, mas é que nem todas as pessoas são tão rápidas quanto uma menina ágil e saudável como tu.
— Ai, pai!
— Então, eles medem com uma pessoa mais lenta.
— Que pessoa?
— Quer saber mesmo?
— Quero! Quero, pai!
— Olha, aqui em Paris, a prefeitura tem três velhinhas, com cerca de 90 anos. Elas têm escoliose, osteoporose e calo no pé. São as criaturas mais lentas que se tem notícia.
— Poxa!
— E elas usam bengala.
— Claro, né? Com tanta doença!
— Aí, todo dia de manhã, eles largam as velhinhas em um ponto da cidade para caminharem aleatoriamente.
— Coitadinhas.
— Elas levam um GPS na bolsa, como o do celular do pai, só que é um próprio para isso. Aí, esse aparelho sabe direitinho em qual esquina elas estão e marca o tempo que levam para atravessar cada rua.
— Nossa! Que massa!
— Está incluído o tempo que elas param e se coçam no meio da faixa de pedestres. Porque velhinha sempre se coça um pouquinho, né?
— É mesmo!
— No final do dia, a prefeitura recolhe as três velhinhas, pega seus aparelhos e transmite as informações para um computador.
— Show!
— Ele controla o tempo de todas as sinaleiras de Paris.
— E as velhinhas não ficam cansadas?
— Ficam. Claro. Às vezes elas até morrem trabalhando.
— Sério?
— Sério. Por isso, eles estão sempre convocando outras velhinhas para este serviço.
— Puxa, pai. Tu sabe tudo mesmo, hein?
— Quase tudo. Quase tudo.

Plano de Dados na França

(Adendo em 04/01/17: este plano de dados não existe mais. Leia aqui a atualização deste post com a melhor opção atualizada.)

Precisei, procurei na Internet, achei, mas não tive informações completas. Por isso, depois de descobrir na prática, resolvi fazer um apanhado de dicas sobre como comprar, com o menor custo possível, um plano de dados para seu telefone celular na França — €19,90 por 30 dias, ilimitado. Se você já tem um cartão SIM da Orange, apenas €15.

Eu não precisava de plano de voz, apenas dados, porém, também é possível. Basta colocar mais crédito nas instruções que darei abaixo.

1. Antes de sair no Brasil, certifique-se que seu celular está desbloqueado para uso com outras operadoras. No caso da Vivo, basta ligar para *8486 e passar o número IMEI do seu aparelho. Na maioria deles, este número está localizado fisicamente debaixo da bateria. No iPhone, como não dá para abrí-lo, vá em “ajustes”/”geral”/”sobre” e procure pelo campo “IMEI”. Anote e diga ao atendente. Também, no caso do iPhone, para completar o desbloqueio, é necessário colocoar um cartão SIM de qualquer outra operadora, diferente da sua, e conectar o aparelho no iTunes do computador. Você verá uma mensagem confirmando o processo. Eu tive que comprar um microSIM da Claro, pois não conhecia ninguém com iPhone (leia-se “cartão microSIM”) de outra operadora para me emprestar.

2. Ao chegar na França, procure uma loja da Orange (empresa de telefonia móvel local). Em Paris, se vê uma a cada mil metros.

3. Compre um cartão pré-pago que sirva em seu celular. Se chama “carte SIM”. “Chip” é coisa de brasileiro. No caso de iPhone 4 ou 4S, é necessário o microSIM e, para o iPhone 5, o nanoSIM. Mas basta mostrar seu aparelho que o atendente saberá. O cartão custa €9,90 e já vem com €5 de créditos. Antes de inserir o cartão, desligue totalmente tanto os dados 3G quanto os serviços de localização (GPS), ou começarão a consumir seus créditos. Eles pedem para esperar uma noite para que seu “chip” comece a funcionar, para só depois adicionar mais créditos e habilitar a Internet.

4. Compre €10 de créditos. Ao fazer isso, o atendente lhe dará um papel com instruções de como introduzí-los no seu cartão. Eu nunca tinha usado um pré-pago, nem no Brasil, por isso, não sei se o processo de adicionar créditos é igual: basta digitar um código no aparelho que os créditos entram. Depois de feito, você terá €17 de créditos (€5 que vieram com seu SIM + €10 que você comprou + €2 que vieram de bônus ao comprar os €10 — pra mim foi assim).

5. Digitando “#123#” e “ligar”, você entra em um menu onde irá habilitar os serviços “Internet Max” e “Email”. O serviço de email serve para acessar servidores IMAP e POP da sua conta pessoal. Se não me engano, os passos são:
– “vos bons plans”;
– “internet”;
– “Internet Max;
– “suite”

… E confime. Idem para o email, substituindo o “Internet Max” por “email”.

O Internet Max consumirá €9 e o email €6. Eles dizem que os serviços levam 3 dias para começarem a funcionar. No meu caso, foram instantâneos. Não esqueça de voltar a habilitar os dados 3G e os serviços de localização ou não vai funcionar mesmo.

Convém desligar o wi-fi do celular quando sair pelas ruas de Paris. A Orange tem pontos de conexão wi-fi gratuitos por 2 horas na qual você precisa de cadastrar para usar. Porém, se você comprou o plano Internet Max 3G, ele identifica e troca o 3G pelo wi-fi desses pontos. Não sei o motivo. Mas tudo bem, até, se: (1) a velocidade fosse sempre boa e (2) aceitasse todos os clientes de serviços. Mas o wi-fi Orange, nesse caso, não permite, por exemplo, Instagram e Facebook. Então, convém deixar desligado.

WI-FI EM PARIS
Paris é cheia de pontos wi-fi gratuitos, mas não se empolgue. Quando você quiser mesmo, não vai ter. Existe uma conexão que você vai achar em muitos lugares, que é o Free Wi-fi. Mas “Free” é o nome de um provedor local. Como falei antes, a Orange também tem muitos pontos que dão direito a 2h diárias gratuítas, mediante cadastro. Basta colocar seu email que enviam uma senha. Nas duas vezes que acessei, bastou aproveitar a mesma conexão temporária inicial para navegar e usar demais serviços (incluindo Instagram e Facebook). Nem coloquei a senha que chegou por email. Não testei para ver se o limite de 2h diárias estava contando, mas acho que não, pois meu cadastro nem foi acesado.

Voilá! Salut! Ces’t bon!