Relacionamento de Marido e Mulher — Parte 1

O Lucas, que trabalha aqui na empresa, trouxe para vender uns donuts que fez com a namorada. Quando cheguei do almoço só havia sobrado um. Comprei, vislumbrando meu café da tarde, lá pelas 16h. Tirei da cozinha e trouxe para trás da minha mesa, a fim de não correr riscos desnecessários. Meia hora depois, minha mulher, esfomeada, chega, olha e diz: “nossa, que coisa linda, de quem é isso?”.

Qual é a melhor resposta?

a. É um troço que o Lucas trouxe.
b. Não toca. É meu.
c. Era pra meu café, mas pode pegar um pedaço.
d. Comprei pra ti, amor.

Óbvio que a letra D. Não foi a que dei, mas estou aprendendo.

Como criar Pokéstops no Pokémon Go

pokéstop

A febre do Pokémon Go chegou no Brasil e, como em qualquer outro local do mundo, todos os estabelecimentos estão se perguntando como criar Pokéstops. Afinal, todos desejam ter seus espaços comerciais invadidos por pessoas malucas caçando pokémons, pegando itens nos Pokéstops ou batalhando em um Gym. Todos querem que eles permaneçam por mais tempo, consumam mais seus produtos e, claro, valorizem mais a marca da empresa. A Niantic (criadora do jogo) mantinha um página em seu site onde era possível enviar sugestões de localização para novos pontos PokéStops ou Gyms. Porém, o número de requisições foi tão grande que ela desativou a possibilidade de envio.

Mas uma dica que pode dar certo é através do game Ingress. Ingress é o antecessor do Pokémom Go, também desenvolvido pela Niantic e, apesar do tema ter mais a ver com espionagem, possui as mesmas tecnologia e dinâmica de jogar, através da realidade aumentada. No Ingress o jogador pode criar portais. O Pokémon Go não aproveitou apenas os mapas do Ingress, mas os PokéStops, na verdade, estão nas mesmas posições dos portais do Ingress. Isso explica o fato de muitos PokéStops não estarem em locais de grande circulação de pessoas.

Então, até que a Niantic reative seu formulário de requisição de PokéStops ou reveja sua política de criação dos mesmos, não custa baixar o Ingress, aprender a jogar e criar o seu portal. Vá que em alguns dias ele vire um PokéStop no Pokémon Go!

A Nova Era do Sei-lá-o-quê

nova_era

Então, o mercado está esquisito. A crise não é apenas econômica. A crise é de perspectiva de futuro do padrão vigente (já nem mais tão vigente assim). Mas o problema não é só se o mundo como conhecemos vai ou não deixar de existir: é que ninguém sabe para onde ele vai! Há pistas, mas são nebulosas. Ninguém tem mais certeza de nada.

Primeiro era assim: você produzia algo e colocava no mercado. Se as pessoas gostassem, compravam. Você fazia um pouco de publicidade, para apresentar seu produto a quem não o conhecesse, e aumentava seu horizonte de vendas. Algum tempo depois, passou-se a embalá-lo em um papel de presente “mais bonito”, ampliando a percepção de seu valor. A estratégia começou a ficar mais rebuscada, ardilosa, psicologicamente questionável. Era preciso criar imagens de produtos, nem sempre verdadeiras.

A concorrência começou a estabelecer níveis de qualidade (ou de percepção de qualidade) altíssimos — “quem não tem qualidade, não tem mercado”. Não bastava mais vender um sanduíche bom, você precisava oferecer um serviço bom, um ambiente bom, itens conexos bons, uma experiência de compra mais que boa — incrível! Até que chegou a Internet. O consumidor começou a ter voz e as marcas começaram a perceber que os consumidores eram pessoas. Sim! Se deram conta disso! Mas sabe como as pessoas são complexas, não? Pessoas são solitárias ou têm muitos amigos, são tristes ou são felizes — estão tristes ou estão felizes! —, são burras ou são inteligentes, estão com tempo ou estão sem tempo, gostam de amarelo ou odeiam amarelo; são complexas ou são complexas! Como atender a todos? Ao mesmo tempo, os consumidores começaram a exigir que as marcas também fossem pessoas. Tirando, claro, a parte da esquizofrenia.

Então, surgiram as mídias sociais e as pessoas-consumidores começaram a exigir que as marcas-pessoas conversassem com elas. Aí, somou-se, à qualidade, à experiência e à esquizofrenia, a transparência. Se você não for sincero, você está morto. Isso é bom, claro. Deveria ter sido sempre assim. Mas nunca foi. Talvez esta seja a única certeza que podemos assumir.

Paralelo ao crescimento dessas exigências cada vez maiores sobre as empresas, vêm as das pessoas sobre elas mesmas. Você quer dar ao seu filho tudo que você não teve. Você não admite que ele não estude inglês, não exercite uma atividade artística, não pratique um esporte. Seu filho não pode sair na rua sozinho porque as coisas não são mais como eram na sua época, e você, então, contrata seguro para o seu carro e para sua casa, plano de saúde porque o SUS não dá conta, uma escola particular, uma faculdade das boas, o melhor serviço de buffet para a formatura, com direito a banda, photo booth, whisky, cerveja, vinho, barman com drinks, DJ, sushiman, equipe de fotógrafos e, quando seu filho casar, é bom nem pensar, pois vai ser ainda pior. Cadê as festas de aniversário só com cachorrinho, guaraná e bolo? Não. Isso não é mais admissível.

Se você cobra isso tudo de você mesmo, o que exigirá das empresas e marcas que consome? Você quer mais, mais e mais! Mas tudo isso tem um preço. E você não quer pagar estra conta. Esse custo não pode mais ser tirado da qualidade, da matéria-prima, dos funcionários, da sede, do transporte, dos analistas de mídias sociais, do cara do marketing, da TI, do programa de formação e atualização dos colaboradores, da mesa de ping-pong, do videogame, da festa de final de ano e da supermáquina de café — afinal, os colaboradores precisam se sentir bem para produzirem. De onde tirar?

Neste ritmo, só sobrevivem os produtos de grande escala; de escala mundial. Como ser inovador no mercado local? Como competir? Dá, com inovação. Mas logo alguém vai industrializar a sua ideia de produto ou serviço e torná-la mundial, através de uma fonte de recursos etérea, provinda de uma “nuvem” de investidores que irão exigir resultados.

Dizem que a revolução está só começando, pois ainda estão para aparecer os grandes concorrentes dos líderes mundiais e aí eles vão precisar de novo de “publicidade”! Mas pense: o mundo não tem espaço para dois Facebooks, dois Übers, dois Googles, dois Twitters, dois Instagrams, dois WhatsApps! Todo mundo quer estar onde os demais também estão. Um sempre vem e mata o outro. Se o objeto não for levemente diferente, um sucumbe para que o outro viva. São os novos tempos, onde todos devemos ser um só.

O mundo está ensaiando uma unificação filosófica, econômica, social… É certamente prematura, apesar de toda tentativa ser sempre válida e cheia de aprendizado. Certamente, ainda não estamos prontos. Precisamos antes de uma elevação espiritual, como seres humanos. Ela pressupõe enxergar o mundo com outros olhos, outra ciência, outra matemática, outro modelo de criação e aculturação. Estamos longe disso. Por enquanto, ficamos dando cabeçadas na parede e chilique nas mídias sociais. É a nova era do sei-lá-o-quê.

Salário máximo. Que tal?

holerite[1]

A instituição salário mínimo é comemorada até hoje como uma vitória da classe trabalhadora. Evidente sua importância, claro. Porém, tenho uma teoria (não sei se é só minha, pois sou ignorante no assunto) de que tão necessário quanto, seria convencionar também um teto de rendimentos, inclusive para empresários — um salário máximo. Não pense que não sou a favor da meritocracia e que sou contra os incentivos à maior capacidade produtiva. Não é isso. Mas quem precisa de seis milhões de EUROS por mês como o jogador de futebol argentino Lionel Messi? O que a pessoa faz com tudo isso? Imagino que nem se tentasse, com todo emprenho, não conseguiria gastar tanto. Bill Gates é um cara do bem. Com a fortuna que tem, talvez qualquer um de nós também fosse. Mas o dono da Microsoft já doou metade da sua fortuna bilionária para caridade e, pasmem, já acumulou tudo de novo!

Pode parecer ingenuidade, mas não é.

A questão do salário máximo não diz respeito apenas a quanto alguém consegue ou não gastar mensalmente. Ela é sobre uma melhor distribuição, não só de renda, mas de oportunidades. Pensem em um empresário cheio de mérito, que empregue centenas de pessoas, que comande uma companhia superavitária. Ao final do ano, nada mais justo do que receber o retorno (lucro) sobre o esforço que seu negócio fez. Em alguns casos, esse montante será tanto que esbarrará no caso exemplificado das grandes estrelas do futebol. Mesmo que tente, não dará vencimento na sua fortuna; acumulará recursos suficientes para viver 100 vidas, incluindo a de seus herdeiros. Convenhamos que ninguém precisa de tanto.

Quando falo em salário máximo, ou rendimento máximo, também não me refiro a pouca coisa. Não vejo problema em ser generoso com o esforço e trabalho das pessoas. Não cairei na armadilha de valorar quanto seria, mas vislumbremos um teto na casa das centenas de milhares de reais. Um profissional bem sucedido — muito bem sucedido (muito mesmo!) — poderia ter suas retiradas de resultados da empresa limitadas por esse rendimento máximo. Assim, o restante da lucratividade da companhia não viraria apenas dinheiro no bolso de alguns, mas reinvestimento no próprio negócio, ampliação fabril, conquista de mercado, injeção em inovação, mais qualidade de vida e de trabalho aos colaboradores, enfim, fazer a roda girar. E se, a retroalimentação for tão eficiente assim, criará um círculo virtuoso que exigirá a doação de recursos, como optou o tio Bill.

Tá aí a tal da utopia de novo.

A Ira de Dona Neide

É difícil um padre jovem durar mais do que três ou quatro anos na mesma comunidade. Não sei por quê. Onde Seu João e Dona Neide vivem não é diferente. Casados há mais de 60 anos (ambos já estão quase nos 90), são extremamente ativos. Moram há 12 no mesmo lugar e já viram três sacerdotes assumirem a igreja que frequentam. O anterior acabou se juntando com uma fiel quarentona, formosa e endinheirada — “Ah, o amor! Esse sentimento lindo capaz de tirar um homem de Deus do seu caminho!” Uma verdadeira decepção para Dona Neide, que confiava cegamente naquele homem. Seu João apenas balbuciou: “É… fazer o quê?” Mas as coisas sempre podem melhorar. Depositam agora toda a fé e confiança no novo substituto e discípulo do Senhor, o Padre Marcos.

Criados com os fortes hábitos religiosos da primeira metade do século XX, quando a missa era em latim e nem sabiam o que entoavam, Seu João e Dona Neide são hoje uma espécie de resistência católica. A juventude não dá mais bola para igreja e, quando faz, costuma pender para o lado evangélico. Quando não podem ir ao culto por algum problema de saúde, o padre vai à casa do casal; atende a domicílio. Digamos, “benção delivery” — é, a igreja tem que se reinventar. Ele dá a comunhão e, claro, aproveita para filar um café da manhã lá pelas 10h, porque ninguém é de ferro. Isso acaba atrasando o almoço, servido costumeira e pontualmente sempre às 11h30. Mas para Seu João, a presença do Padre é mais importante que o horário da refeição e que os remédios que precisam tomar antes de comer. Padre Marcos é o símbolo máximo da devoção que têm a Deus. Não dão tanta bola assim nem para o Papa — “ainda mais agora que parece que é um argentino, vê se pode”.

Todos sabem da dificuldade que um sacerdote enfrenta em uma nova comunidade. Seu João e Dona Neide mais ainda. Além de, geralmente, estar em “início de carreira”, recebe do anterior a paróquia na pindaíba, tanto financeiramente quanto em número de fiéis descrentes. O trabalho é dobrado e o dízimo escasso. Esses cafés da manhã e almoços nas casas das famílias locais acabam sendo divinamente providenciais. Não é só pelo alimento que nutre o corpo nem pela companhia que revigora o espírito, mas é o momento em que o pároco pode chorar suas mazelas aos velhinhos devotos e conquistar um pouco de sua compaixão. Já imaginaram um padre, sozinho em uma nova cidade, sem ter uma máquina de lavar roupas? Dona Neide chega a suspirar de pena — houve épocas da vida em que teve duas simultâneas, para dar conta do serviço! Mas Seu João não deixou por menos e deu ao Padre Marcos a bendita máquina de lavar. Agora, sim, ele pode dedicar-se mais à pregação da Palavra e está sempre limpinho, cheiroso e bem apresentável. Seu João também já presenteou-o com um forno de micro-ondas, não para a paróquia, mas para seu uso pessoal. Alguns boletos vencidos em nome da igreja também foram pagos por Seu João e, por vezes, um filho interceptava ligações de cobrança de dízimos para a casa do casal. A família, desconfiada de tamanha gastança, se pôs a investigar. “Mas é tudo em nome de Deus”, alegou Dona Neide.

Um dia, padre Marcos resolveu marcar uma janta. Na casa do casal, claro. Certamente traria um vinho, de missa, para ser gentil. O casal preparou sua melhor receita, colocou à mesa sua melhor louça — aquela que só padre merece. Dona Neide fez seu sagu supremo, elogiado por toda família. Não foi trabalho simples: ela precisa de andador para se locomover com um pouco de autonomia. Estava marcado para às 18h30. Já eram 19h30 e nada do Padre Marcos aparecer. A filha, de passagem, se deparou com aquela mesa linda, como não havia visto nem no batizado da neta mais nova, e questionou. “É que o Padre vem jantar, mas está um pouco atrasado.” Já eram 20h.

— Vocês não vão ligar pra ele?
— Calma, filha. Se disse que vem, ele vem.

Lá pelas 21h30, o sono batia. Resolveram telefonar. O Padre estava em Brasília, provavelmente com o Bispo. Havia esquecido o compromisso na capital e, coitado, não conseguira avisar os anciãos. Vossa Excelência Reverendíssima merece todo respeito e consideração. Pena que não sobrou um pouco para Seu João e Dona Neide.

Duas semanas depois, repetiu-se a mesma cena com um almoço agendado. Os filhos, já sabendo das histórias, não pouparam críticas ao comportamento ingênuo dos pais. Inclusive, em uma missa delivery, para a qual toda a família estava convidada, nenhum apareceu nem para agradar os dois, tamanha a restrição que estavam nutrindo pelo agente de Deus.

Dona Neide — como se ela é que devesse desculpas a Padre Marcos — ordenou ao marido que a ajudasse a preparar uma quantidade enorme de cueca-virada, de modo a encher um pote plástico, dos grandes. A palavra dela é uma ordem para Seu João, mesmo quando está cansado. Depois de uma tarde inteira preparando o doce regalo, foram à igreja. Após o culto, com um sorriso no rosto, entregaram ao pastor. Ele não se fez de rogado e comeu duas ali mesmo, sujando o hábito de canela em pó e agradecendo de boca cheia.

Mas mal sabia Dona Neide que logo, logo, Padre Marcos viria a ser seu maior desafeto. Não foi a exploração do dízimo exorbitante nem foram os presentes que aceitou em benefício próprio, também não foi o almoço nem o jantar nos quais simplesmente não apareceu. O que de fato fez Dona Neide lançar ao Padre toda sua ira e decepção teve a ver com as cuecas-viradas: ele nunca devolveu o tupperware vazio. E era dos grandes.

Meus problemas com o cartão Dotz Mastercard

Você já conhece este diálogo, ao entregar o cartão para o caixa:

— Crédito.
(…)
— Crédito ou débito?
— Crédito!
(…)
— Débito?
— Crédito!

Mas a parte que você só conhece se tiver um cartão Dotz Mastercard Ibicard é a “moça do caixa”, ao pegá-lo, olhar para seu canto arredondado, esfregar o dedo de um lado para o outro e dizer “Nossa, que diferente! Foi tu que cortou ou já veio assim?”

Se fosse só isso, ok. Mas o problema vem sendo maior.

Há uns 10 anos, me ligaram para oferecer um cartão Dotz Mastercard. Meu primeiro impulso foi negar, pois eu já tinha um Visa. Mas, diante dos benefícios do pano de milhagem Dotz, e da versatilidade em ter cartões de duas bandeiras diferentes, resolvi aceitar. É realmente vantajoso esse programa. Você ganha pontos nao só quando paga a fatura, mas também comprando em várias lojas da Internet, como Americanas, Submarino, Fnac, Shoptime, Ricardo Eletro. Dependendo da promoção atual, você acumula até quatro pontos por real gasto. Com isso, já consegui resgatar um iPad, um no-break, uma caixa de som bluetooth iBlu superboa, um bluray player etc.

O que acontece é que o Banco Ibi, emissor original do cartão, foi comprado pelo Bradesco há uns dois anos, creio. De um tempo para cá, estou convicto que o novo banco está tentando dissuadir seus cientes a continuarem com o contrato, devido aos benefícios fora do comum que o programa Dotz oferece. Explico:

  • toda semana, ao abastecer nos mesmos postos de gasolina de sempre, meu cartão não passa e é bloqueado;
  • sempre quando tento comprar passagens aéreas também;
  • perco mais de meia hora com o atendimento para conseguir desbloquear;
  • cada vez que ligo, a quantidade e dificuldade das perguntas de segurança, do tipo nome da mãe, se eu tenho cartão adicional, aumentam. Na última vez respondi tudo certo e disseram que os dados eram inconsistentes e mandaram ligar de novo para reiniciar o processo — é um inferno recomeçar o processo!
  • os atendentes são presunçosos e grosseiros (claro, quando eu, irritado, os trato assim também — kkkk);
  • quando questiono o motivo do bloqueio, me alegam “motivos de segurança”, mas quando pergunto “Quais motivos de segurança? O estabelecimento não é confiável? Minha compra saiu do padrão?” eles não sabem responder.

Ontem, me ligaram dizendo que meu cartão tinha efetuado cinco compras em valores como 2 mil, mil reais, fisicamente, em estabelecimentos nas cidades de Niterói e São Gonçalo e queriam saber se eu reconhecia tais despesas. Falei que não, que estava em Pelotas, de posse do meu cartão. Eu disse que as cidades das compras eram no Rio de Janeiro e eu estava no Rio Grande do Sul. A atendente insistia em dizer que as cidades eram todas no Rio Grande do Sul. Mas, enfim, bloquearam definitivamente meu cartão, entraram com processo de cancelamento das despesas não reconhecidas e ficaram de me mandar um novo cartão, agora, com chip. Sim, meu cartão Dotz Mastercard Bradescard não tinha chip!

 

Tudo bem que fraudes existem. É mais comum do que parece, mas eu já vinha desconfiando há tempos que estavam tentando fazer eu desistir do cartão. Agora estou acreditando ainda mais nisso. Não vão me fazer desistir dos benefícios do Dotz! Eu sou brasileiro e não desisto nunca! :)

A cura do câncer?

O texto a seguir não defende nem duvida dos efeitos da substância fosfoetalonamina nem de seus pesquisadores e detratores. O texto a seguir apenas clama para que se propiciem testes clínicos para serem submetidos à ANVISA. O texto a seguir apenas quer instigar o pensamento crítico frente ao um assunto do tipo que tende a ser calado pelo poder econômico e sua rede de interesses.
Vou repetir isso no final, para que fique bem claro.

 

Nas últimas semanas, a internet tem fervido a cerca de um estudo brasileiro de mais de 25 anos apontado por seus idealizadores e pacientes como, no mínimo, uma opção extremamente eficaz para tratamento do câncer e, no máximo, a cura definitiva da doença.

Os pesquisadores, liderados pelo já aposentado Prof. Dr. Gilberto Orivaldo Chierice, que atuava no Instituto de Química da USP São Carlos, finalmente estão conseguindo falar sobre os resultados publicamente, sem a parcialidade de interlocutores. Aconteceu em uma sessão conjunta das comissões de Ciência e Tecnologia e de Assuntos Sociais do Senado Federal. Foi transmitida ao vivo pela TV Senado, no dia 29 de outubro. Claro, já está no YouTube e é material obrigatório para quem quer se informar ou discutir sobre o assunto em qualquer esfera.

O evento no Congresso Nacional ouviu os pesquisadores, o Ministério da Saúde, a ANVISA e alguns pacientes convidados em relatos emocionados de resultados nunca antes vistos. São mais de 5 horas de falas. Eu vi tudo, com exceção dos momentos em que os senadores presentes começaram a manifestar sua solidariedade à causa, pois se tratam de depoimentos leigos em que nem sempre conseguimos extrair suas verdadeiras intenções. Como não sou da área da saúde, foi preciso rever muitos depoimentos para compreender melhor as entrelinhas e captar raciocínios que passaram despercebidos na primeira audição.

Me interesso muito por esses assuntos que brigam com interesses de megacorporações e que disputam notoriedade em nossa mídia quase sempre tendenciosa. Por isso, resolvi escrever este post, para tentar “resumir” e objetivar o conteúdo do vídeo. Mas recomendo a visualização do conteúdo integral.

Nota-se claramente nos depoimentos dos pesquisadores — apesar de sua ânsia por reconhecimento da substância fosfoetanolamina — um cuidado para não acusarem ninguém pelo travamento do processo de testes clínicos. Então, algumas informações não ficam muito claras quanto a isso. Eles se detiveram mais em demonstrar de forma científica os resultados alcançados até então.

SITUAÇÃO
— Havia uma parceria com o Hospital Amaral de Carvalho que foi cancelada pela instituição, em que estavam sendo realizados testes clínicos para as fases necessárias à aprovação da substância pela ANVISA, com resultados ditos incríveis. Ou seja, testes existiram. Eles apenas não conseguiram ser concluídos devido a falta de interesse das instituições.
— Os referidos pesquisadores não são médicos, então, não podem proceder aos testes clínicos por conta própria.
— A substância fosfoetanolamina age nas células anaeróbicas apenas. Ou seja, quem diz que existem muitos tipos de câncer e que não significa que a molécula não deve ter efeito sobre todos eles, segundo Dr. Gilberto, não entende nada de câncer ou não viu a explicação sobre este fato. Na referida sessão no Senado foi demonstrada a ação efetiva em diversos tipos da doença. Todos são formados por células anaeróbicas.
— Quem diz que os pesquisadores estão apenas buscando resultados financeiros com a descoberta também não ouviu que eles abrirão mão da patente caso o Governo Federal distribua o medicamento no SUS, para a população carente, após aprovação na ANVISA.
— A pesquisa, que já foi financiada pela FAPESP, CAPES e CNPQ, já foi publicada internacionalmente em dezenas de publicações cientificas, das mais renomadas, segundo os relatos.
— Liminares judiciais movidas por pacientes estão sendo emitidas à USP exigindo a fabricação da substância para tratamento. A USP não é indústria e, além disso, não tem condições de atender todas as liminares por uma questão física até, e não está bancando a produção. De tão barata que é a substância, os próprios pesquisadores a estão financiando para atenderem ao máximo possível as liminares de pacientes desesperados.

AFINAL DE CONTAS, O QUE DIZEM QUERER OS PESQUISADORES?
— Apoio do Governo para prosseguirem com os testes clínicos no Brasil, com investimentos públicos e sem intervenção internacional e de qualquer indústria farmacêutica, para garantirem a imparcialidade das decisões e eliminarem a maior parte dos conflitos de interesses.
— Apoio do Governo para desburocratizar o processo de aprovação da ANVISA. O presidente da ANVISA garantiu na sessão que, por praxe, o processo não leva mais de 180 dias e, por se tratar de “inovação radical” de iniciativa nacional, ainda pula na frente da fila de aprovações.
— Destinação de estatal de medicamentos para a produção da substância, mesmo ainda sem aprovação na ANVISA, apenas para atender às liminares concedidas a pacientes terminais, devidamente autorizados por seus médicos e por eles mesmos ou familiares.

Estamos diante de um assunto importante, aparentemente promissor. Eu não consigo admitir que a discussão se restrinja a “a ANVISA ainda não aprovou”, sem nos questionarmos nem o motivo de não estarem conseguindo submeter à Agência. É tão ingênuo acreditar piamente na eficácia da substância quanto fechar os olhos e deixar que as decisões se tomem nos bastidores obscuros dos jogos de interesses da indústria da saúde.

 

Aqui está a sessão do Senado, na íntegra.

Aqui você encontra uma carta de esclarecimento da USP São Carlos e perguntas frequentes sobre o assunto.

Aqui, a matéria do Fantástico feita pelo Dr. Drauzio Varella, alertando sobre o perigo de utilizar o medicamento.

E aqui, Drauzio, em seu canal próprio no YouTube, sendo bem mais sensato do que na matéria do Fantástico, após repercussão negativa que suas opiniões veiculadas na Globo tiveram.

 

Repetindo: o texto acima não defende nem duvida dos efeitos da substância fosfoetalonamina nem de seus pesquisadores. O texto acima apenas clama para que se propiciem testes clínicos para serem submetidos à ANVISA. O texto acima apenas quer instigar o pensamento crítico frente ao um assunto do tipo que tende a ser calado pelo poder econômico e sua rede de interesses.

Um Segundo Governo para Fazer Concorrência

E se ao invés de elegermos um governo, elegêssemos dois? Seria boa a concorrência, não? Teriam que ser governantes profissionais, de carreira — como se já não fossem agora. Nossos impostos seriam rateados entre eles na proporção do uso que a população fizesse dos seus serviços. Teríamos dois sistemas de saúde paralelos e usaríamos o que nos tratasse melhor. Existiriam aparatos educacionais distintos e matricularíamos nossos filhos no mais eficiente. A infraestrutura comum, como rodovias e ferrovias, teriam seus custos de administração compartilhados. Ou não! Poderiam existir a rodovia do governo A e a do governo B. Pagaríamos o pedágio na que atendesse melhor nossas necessidades. Poderia ter o governo que investisse mais em ferrovias e se tornasse logisticamente mais eficiente. Se houvesse duas polícias e duas justiças, elas seriam remuneradas de acordo com sua performance. Teríamos um custo total mais elevado para manter dois governos? Não acredito que fosse maior do que o atual custo-Brasil, que financia a corrupção incrustada em todas as esferas governamentais. Sem dúvida haveria uma guerra entre os dois, ou uma civil entre os adeptos de cada um. Mas isso já não existe hoje, de uma forma ou de outra?

Hoje eu vi…

Hoje eu vi um adolescente querendo ajudar a qualquer custo. Eu vi um velho sem saber bem o que fazer, mas procurando ser parte. Eu vi uma mulher rica, bonita e delicada subindo em árvore e sendo a mais envolvida. Hoje eu vi uma criança pobre tendo uma experiência que levará para toda vida, que ajudará a formar seu caráter, sua personalidade. Eu vi outra mais privilegiada se divertindo como nunca junto com as da comunidade. Eu vi um cara com toda pinta de marginal provando para mim — e para si mesmo! — que as coisas podem ser diferentes. Eu vi uma menina linda, com as roupas sujas, ser mais valente que muito marmanjo. Hoje eu vi um homem de posses, que poderia estar em casa com sua família, agarrado numa enxada para construir o sonho de muita gente. Eu vi um rosto cheio de lágrimas por não acreditar no que presenciava. Eu vi uma senhora da comunidade perceber o valor do que estava sendo feito, e trabalhando não só para que sua filha tivesse o exemplo, mas para o futuro de todas as crianças. Hoje eu vi um lugar antes vazio e inóspito encher de moradores tomando chimarrão e conversando. Eu vi as crianças girarem em pneus pendurados em árvores tão felizes como nunca presenciei. Eu vi abraços, agradecimentos, olhos brilhando. Eu vi incrédulos presenciarem a materialização de um sonho brotar do chão diante de seus olhos. Hoje eu vi um gordinho de 13 anos pegar no pesado e ser o mais motivado de todos. Eu vi areia e barro virar uma praça. Eu vi um sonho nascer, sendo construído pela mobilização de pessoas. Somente pessoas.

Hoje, vi coisas que não costumo ver.

Hoje foi um dia muito, mas muito especial.

Apple Music: só eu estou enfrentando problemas?

Não pode ser que só eu estou enfrentando problemas com o Apple Music. (leia mais aqui)

Para tentar resolver, ontem, apaguei todas as músicas do celular, sincronizei com o iTunes e resolvi colocar de novo as faixas que eu queria pro iPhone.
Só que aí…

— Descobri que não é mais possível arrastar músicas para dentro do celular pelo iTunes. Tem que usar o app novo de músicas no telefone, procurar as que se deseja e marcar “disponibilizar off-line“. Uma burrice sem tamanho, porque isso é feito via internet e não via rede wi-fi ou cabo conectado ao computador. Ridículo! Consumi tempo e banda de internet para baixar centenas de faixas, que tinha no computador, sem necessidade.

— Hoje, saio de carro e coloco para rodar minha biblioteca. No meio das músicas que eu esperava ouvir, começam a tocar outras que eu tenho no iTunes mas não mandei irem para o celular. Como?

— O som do meu carro mostra mais de 7 mil músicas no dispositivo. Bom, este não é nem o número de músicas que tenho no iTunes (são mais de 17 mil) muito menos as que mandei ficarem off-line (400). Tudo bem, isso pode ser bug do meu som, que já é antiguinho e pode não estar conseguindo compreender direito o iPhone — porém, não acontecia antes do Apple Music.

— Não entendi ainda como ele está tocando essas faixas, pois realmente não há essas 7 mil músicas off-line; nem haveria espaço no dispositivo!

— A rede de dados está desabilitada para uso do Apple Music. Ou seja, elas não estão vindo da nuvem.

Isso só está acontecendo comigo? Ou só eu que me importo em não ouvir aquilo que realmente desejo?